AVALIAÇÃO DE UMA VÍTIMA TRAUMATIZADA

Você é profissional da área da saúde do atendimento pré-hospitalar, sabe fazer uma correta avaliação de uma vítima traumatizada dando foco aos principais locais que podem levar o seu paciente a óbito ou você ainda tem receio e medo de fazer atendimento a esse tipo de vítima ? Se esse é o seu caso esse artigo pode te ajudar.

Todo profissional da área de atendimento pré hospitalar precisa saber na ponta da língua aplicar avaliação primária, como o próprio nome diz se trata da primeira avaliação que fazemos em uma vítima traumatizada. Mas de onde vem esse protocolo?

PHTLS traz as informações de avaliação primária com protocolo de associação em cada letra que se chama XABCDE do trauma, Por muitos profissionais já é bastante conhecido mas para alguns profissionais da saúde pode ser novidade então, vamos a explicação.

O XABCDE do trauma é um processo de associação, se trata de um processo mnemônico onde cada letra ela vai te dizer o que fazer onde no fim do processo você vai conseguir realizar atendimento de qualidade para vítima traumatizada.

A letra X traz em sua atualização mais recente controle de hemorragia sanguinantes que é o mesmo que controle de hemorragias graves.

Sabemos que o sangue é um componente muito importante para nosso organismo, sempre que você atender uma vítima com grande perda de sangue ela corre o risco de entrar em choque hipovolêmico tipo hemorrágico.

Então sempre que você atenda uma vítima com hemorragias graves seja por corte de artéria ou perfuração de grande porte, você precisa controlar hemorragia desse paciente mais rápido possível principalmente no suporte básico de vida onde há mais dificuldade fazer esse tipo de atendimento.

Mas a pergunta é: Como vou controlar essa hemorragia?
A resposta é bem simples, você vai agir de acordo com o material que você tem disponível naquele momento.

Sabemos que temos pressão direta, curativos compressivo, elevação do membro, compressão arterial, torniquete e as novas atualizações através do stop the bridge que é o preenchimento da ferida, isso é muito interessante relevante. e você deve utilizar de acordo com a necessidade paciente e de acordo com o que você tem na sena no momento.

A letra A ela vai falar sobre a restrição de movimentos de coluna e liberação de vias aéreas, é preciso restringir a coluna do paciente traumatizado para evitar danos futuros.

Para liberação das vias aéreas temos várias técnicas e a mesma regra se aplica,Você deve agir de acordo com o seu paciente naquele momento e de acordo com os materiais que estão disponíveis.
Vão acontecer situações em que você terá que se desprender um pouco dos protocolos é você vai ter que agir de acordo com o material e a situação.

A letra B trás a respiração e ventilação é preciso saber como o paciente respira se respira de forma adequada.
Para saber disso é preciso observar a elevação tórax, se seu paciente está elevando o tórax tranquilamente em ambos dos lados é porque sua respiração está ok.

Agora quando o paciente apresenta respiração dificultosa como respiração acelerada isso pode ser considerado uma respiração e ineficaz, onde não tem troca gasosa correta que chamamos de hematose então você precisa dar uma atenção maior a ele.

paciente traumatizado inconsciente pode ter queda da base da língua você deve fazer a liberação automaticamente e observar se isso melhorou a respiração já que pode ter algo obstruindo a via aéreas algo sólido ou líquido você precisa observar e fazer tudo para melhorar o quadro clínico dessa vítima traumatizada, uma simples desobstrução das vias aéreas pode salvar totalmente sua vítima então, preste bastante atenção na respiração.

A letra C refere se a circulação e controle de hemorragia, a circulação é verificada através do pulso e artérias, se o meu paciente tem pulso ele não está em parada cardiorrespiratória.

agora sabendo que a vítima não está com parada cardiorrespiratória você deve controlar todas as hemorragias presentes, porque todo hemácias hemoglobina são importantes para o corpo.

Recapitulando se tem hemorragia é de grande porte controla lá na X é uma hemorragia pequena você já pode controlar ela aqui na letra C.

A letra D fala sobre déficit neurológico, a avaliação neurológica de acordo com o protocolo você precisa observar a pupila do seu paciente, ela vai demonstrar vários graus de dificuldade que seu paciente está passando ou que realmente pode estar acontecendo, isso é muito visível na pupila.

uma escala que é muito utilizada é a escala de coma de glasgow,onde a pontuação mínima é 1 pontuação máxima é 15, acordo com a pontuação você consegue entender a gravidade do paciente, é importante estar dialogando com o paciente para que você saiba qual o nível de consciência dele.

Na letra E você vai trabalhar a exposição da vítima é preciso observar sempre exposição da vítima e evitar a hipotermia. A própria roupa já aquece o paciente ela retém ali a temperatura do corpo do paciente então se você fazer a retirada desnecessária você pode evoluir o seu paciente a um quadro de hipotermia e isso nós sabemos que pode trazer diversos danos e não é o que você quer, então faça exposição do seu paciente corretamente.

Revisando toda a avaliação primária. sempre antes de fazer qualquer atendimento devemos verificar a sena, segurança e situação feito isso e estando tudo ok, você faz a avaliação primária do traumatizado que corresponde a letra X controle a hemorragia de a cordo com a sena e os materiais.

letra A restrição de movimento de coluna e liberação das vias aéreas. Sempre restringir os movimentos da coluna, liberar as vias aéreas e observar se o paciente está respirando corretamente automaticamente a letra A se liga com a letra B que ventilação e respiração seu paciente está respirando e qual a qualidade dessa respiração que é observada pelo movimento do tórax. Letra C controle de circulação e controle de hemorragia, é avaliada através de pulso e sua pulsação. você deve controlar as hemorragias menores que não foram controlado lá na letra X. Letra D avaliação neurológica avaliar através das pupilas do paciente ou pela escala de coma de glasgow e da conversa.

E por fim a letra E onde eu faço a exposição da vítima, eu preciso observar como ela está sendo exposta de acordo com a situação traumatizada, E se posso melhorar essa situação e claro, evitar um quadro de hipotermia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *